O paradoxo da matemática ou o golpe de estado da rés pública!

Na realidade, e como referiu Sextos, reconheço a mediania governativa à coligação PSD-CDS. Entre erros e mediocridades (com episódios de “relva”, de “marco” e quejandos), a coligação obteve a maioria relativa, mas, a MAIORIA de votos dos portugueses,
O programa maioritariamente sufragado foi o da coligação. Na campanha eleitoral ninguém se apercebeu de alguma possibilidade de coligação entre o PS, PCP e BE.
Ora esta hipótese (quase tese) de coligação representa a subversão de todo o historial dos princípios da vida democrática pós 25 de Abril de 1974.
A concretizar-se representa o escamotear da vontade da maioria de votos dos portugueses!
Representa, também, claro está, a luta titânica do Dr António Costa pela permanência no poder. O próprio pretende o protagonismo do lugar de 1º ministro, apesar da reconhecida ineficácia durante a campanha que levou o PS a uma derrota desastrosa.
O povo português terá que se manifestar na rua a concretizar-se esta leviana e contra natura coligação de esquerda.
E gostaria de rematar lembrando ao Dr António Costa que, como diz o velho provérbio popular, ” quem com ferros mata, com ferros morre”.

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

O decurso da história.

De facto Passos Coelho cometeu erros na governação. Provavelmente o correr do tempo e alguns factores de sorte conjuntoral dão, hoje, resultados ligeiramente positivos na nossa economia.

Haverá que reconhecer que a diminuição da taxa de desemprego não é apenas fruto da governação. Mas o País é o que é.

Não reconheço algum patriotismo especial a este governo.

À historia caberá o julgamento desta integração europeia e de todos os responsáveis.

Mas, no presente, não nos restará outra solução senão esta governação mediana, sem elevação cívica e patriótica desta coligação PSD-CDS.

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Encosta abaixo, alegremente, o duplipensar ainda não enegreceu, a novilíngua exalta sempre até ao fim e de qualquer modo Brassens já cantava “mourir pour des idées, d’accord mais de mort leeeente ” ou a humildade de lembrar que raramente, raramente, os catastrofistas vêm justo

É bem verdade que quando se erra no diagnóstico é quase impossível acertar no tratamento mas quando a manipulação é muito boa transforma-se um produto noutro muito diferente e sabe-se há muito que a pergunta que não tem resposta é o que é a verdade. Mais, o extraordinário avanço da novilíngua e do duplipensar torna a audácia quase algo ilimitado.

Também se sabe que não se aprende com o erro dos outros, nem sequer com os nossos – nem a Grécia aprendeu com os seus erros na aplicação inicial dos fundos europeus, nem a Alemanha aprendeu com os seus erros que a levaram a mendigar, com sucesso, o perdão da dívida da II guerra, tal como a Lusocacânia nada aprendeu desde 1985 – os primeiros ecos da aplicação do Portugal 2020 levantam os receios habituais.

Também se devia saber e muitos sabem-no que os modelos mais depurados nunca funcionam muito tempo, só os mais degenerados e amalgamados conseguem sobreviver mais tempo, a natureza, a vida são amigas da heterogeneidade, dos contrários – as formas de Platão constituem as entidades mais solitárias e frígidas produzidas pelo pensamento humano e apenas evoluem para as paixões, estados de alma, ou temporários ou patológicos. Dito isto, é bem verdade que as sopas mais complexas precisam de demoradas cocções e mexidelas e se estas forem mal feitas acabam por resultar num caldo que coalhará ao fim de pouco tempo.

A sobrevivência do projecto do euro constitui uma surpresa e um manancial para análise.

O euro é um projecto de revolucionários bem sucedidos embora o desenho contribua e muito para o sucesso. Tinha tudo para falhar, já falhou no fundo, mas sobrevive e isto distingue o revolucionário com sucesso daquele de insucesso – transformar o novo, o inesperado, o inacreditável, o inviável em evolução natural, inevitável, transformar a revolução em TINA (Tsipras manifestamente ainda não percebeu isto, realmente de revolucionário nada tem). O euro sobrevive porque conseguiu levar os estados para o alto mar e agora declarou que nunca trouxe botes salva-vidas.

O euro é uma construção audaciosa do sistema financeiro , o último passo antes da entrada no paraíso do capitalismo-socialista de Spengler, de lucros privados e prejuízos públicos e  transferiu totalmente o risco moral para os devedores e isentou-o na totalidade dos credores.

Historicamente sempre houve uma luta sangrenta e feroz à volta do risco moral mas o pano de fundo não muda demasiado, permanece nos devedores que são empurrados para a perda da propriedade, nalguns períodos da história, para a perda da individualidade, agora, para a abolição da autonomia. Também faz parte da história que a recuperação das perdas quando as há, são sempre desviadas mais para os credores desde que se cumpra a regra de os credores serem mais fortes.

Este pormenor, melhor esta condição absolutamente necessária, passa demasiadas vezes despercebida. Tudo o que se disse repousa nessa pré-condição do credor ser mais forte que o devedor. Exemplos clássicos contrários, os primeiros emprestadores judeus que acabavam sem a cabeça ou empurrados para o outro lado da fronteira. Exemplo oposto, os EUA os grandes devedores que impõe a sua vontade aos credores.

O ser forte, para além de permitir assumir a cobrança, a captura da propriedade do devedor ou até a sua escravatura, torna-o dotado de uma força centrípeta quando se redistribuem os recursos. Esta força centrípeta assegura que a periferia não escape porque quem ditas as regras todas passa a ser o centro – o sistema de empréstimo/endividamento é na verdade o carrasco anunciado do mito do livre comércio, a falácia mãos bem vendida pelo centro. Esta força centrípeta assegura que o centro disfrute de todas as vantagens do endividamento ao empurrar todos os perigos para a periferia. Claro que isto exige uma mistura bem doseada de incompetência/ignorância da periferia, afastada da informação privilegiada, compra e pagamento de capatazes após o afastamento/eliminação do que restou dos patrões da periferia – eles próprios com tendência para preferir a internacionalização sendo duques  à limitação e perigos do estatuto da realeza local – de modo que não é possível fugir ás regras estabelecidas. Uma vez feito o endividamento do centro nada mais resta á periferia senão fazer o mesmo – o mito das contas equilibradas com o par franco-germânico perpetuamente fora dele é o maior mito que a o duplipensar conseguiu inculcar.

Se olharmos para outros continentes observamos esse crescer de dívida generalizado. A moral falaciosa de censura a quem quer mais do que aquilo que pode, foi muito bem construída – como é que uma empresa da periferia pode competir se não tiver também um grau importante de endividamento? No centro o capital próprio anda á volta dos 25 a 40%, tudo o resto é dívida contraída a juros mais favoráveis,  na periferia descapitalizada o capital próprio não pode deixar de ser menor e muitas vezes desce para o patamar á volta dos 10%, convenientemente fraco para uma fácil destruição. Esta regra do centro, o endividamento, é o seguro de vida para o seu predomínio. No sistema financeiro a arte foi mais desenvolvida, pudera, o centro absoluto, com capitais próprios entre 3 e 4% – mesmo Basileia III não sobe para 8%, outra mentirazita bem urdida e de qualquer modo esses 8% são suficientes para assegurar que o risco moral nunca será invocado ao mesmo tempo que assegura o controlo, tornando possível comprar vários cães com o pelo dos ditos.

Mas  a falácia mais importante não deriva da dívida mas sim do emprego, ou as famosas reformas estruturais como promotores do emprego. Como se irá ver no futuro, a médio prazo, as reformas estruturais, o eufemismo da baixa dos salários não cria emprego, diminui-o por várias razões, sendo a principal a lentificação da velocidade do dinheiro, algo que Friedman não previu e que originou o falhanço da sua teoria económica, ao ser comprovado que a massa monetária de per si não controla os preços, é preciso ter em conta a velocidade de circulação. Ao tirar ao salário cada vez mais a porção do bolo a velocidade fatalmente diminui. Mais determinante, com a acumulação extraordinária de dívida a irrelevância, o excedente de massa humana torna-se insustentável agora que não há impérios para exportar, pelo contrário são os desgraçados das ex-colónias que fogem das suas terras, sem nada para fazer para além de morrer ao serviço dos capatazes da guerra.

Aquilo que vamos testar é qual o nível de empobrecimento e de desemprego compagináveis com a actual duração da vida humana, com a lentidão da morte e com a descrença espelhada na baixa taxa de natalidade.

Aquilo que se vai testar é qual o grau de estupidificação, de infantilização e de corrupção que podem ser compatíveis com a liberdade humana, qual é o ponto da reversibilidade última.

Aquilo que já se percebeu é que o modelo da democracia representativa morreu de morte natural ao fim de poucas gerações. A corrupção que a distância potencia tornou-se, mais do geradora de perdas importantes, no maior factor destrutivo da sociedade – será a última ironia desta fase da história, a comprovação da existência de algo porque se destrói e se nota a ausência. Aquilo que ainda não adivinhamos é qual o resultado da governação por capatazes apenas, já que os donos ou morreram ou já não querem aparecer – o factor decisivo não é a justiça, a natureza e as sociedades não são justas, é a sua sustentabilidade.

Até quando a subsidiariedade vai continuar a enganar os optimistas? Quando é que o pensamento de que não há  maior bondade do que independência e liberdade, que a complexidade que tudo justifica é filha da novilíngua e sobrinha da corrupção que ninguém é melhor servido do que por si próprio se tornam evidentes por si próprios, como diriam os fundadores dos EUA.

Quando é que os verdadeiros revolucionários que nos vêm governando  vão ser expostos, a sua audácia e loucura exibidas e logo afastados. Se é possível descer, descer, descer, retroceder até á mais avançada infantilidade e saír do buraco, é algo que não sabemos, nunca antecipamos quando os catastrofistas têm razão porque só raramente a têm, mas lembrem-se que como tudo, nem sempre estão errados. Tudo se cansa, tudo se apaga.

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

A grécia inventou a democracia, a europa central o processo e o castelo, os anglo-saxónicos o “as if”, os burocratas a imbecilidade activa, os financeiros a corda para os enforcamentos, leiam Swift que é bem bom

Os Cafeínicos

Provavelmente, mas está longe de ser certo, iniciamos uma das grandes curvas da história, lenta a negociar, cega sem deixar ver o que vem a seguir – nem houve fim da história, mas o historicismo está morto.

O referendo da Grécia marca mais uma das etapas do fim do regime representativo, pelo menos nesta versão. Os exemplos acumulam-se sobre as más opções que são tomadas nas alturas mais decisivas das escolhas, certamente sempre contrariadas pelos incumbentes que, satisfeitos, proclamam a bondade de terem sido escolhidos. A maior parte das vezes nem de escolhas se trata, como ontem aconteceu, a não ser da última vontade de fazer uma careta aos palhaços ricos do centro antes da queda habitual do palhaço pobre.

A escolha é quase sempre fatalmente viciada pela manipulação das alternativas, sempre trabalhadas e desfiguradas por quem pode controlar, pelo menos parcialmente.

Não é fácil saber se ontem a fundamentação…

View original post mais 776 palavras

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

A grécia inventou a democracia, a europa central o processo e o castelo, os anglo-saxónicos o “as if”, os burocratas a imbecilidade activa, os finaceiros a corda para os enforcamentos, leiam Swift que é bem bom

Provavelmente, mas está longe de ser certo, iniciamos uma das grandes curvas da história, lenta a negociar, cega sem deixar ver o que vem a seguir – nem houve fim da história, mas o historicismo está morto.

O referendo da Grécia marca mais uma das etapas do fim do regime representativo, pelo menos nesta versão. Os exemplos acumulam-se sobre as más opções que são tomadas nas alturas mais decisivas das escolhas, certamente sempre contrariadas pelos incumbentes que, satisfeitos, proclamam a bondade de terem sido escolhidos. A maior parte das vezes nem de escolhas se trata, como ontem aconteceu, a não ser da última vontade de fazer uma careta aos palhaços ricos do centro antes da queda habitual do palhaço pobre.

A escolha é quase sempre fatalmente viciada pela manipulação das alternativas, sempre trabalhadas e desfiguradas por quem pode controlar, pelo menos parcialmente.

Não é fácil saber se ontem a fundamentação do resultado era robusta ou não. Aparentemente sim, votar não com os bancos fechados é próprio do desespero, da mesma magnitude dos irlandeses de Swift aconselhados a comer os filhos. Mais tradicionalmente, qualquer livro de histórias antigas relata a saída habitual dos miseráveis endividados e desempregados, a venda dos filhos, a prostituição das mulheres e talvez os gregos sintam que estão no limiar desse estado.

Até se compreende o resultado porque outro seria de certo modo ratificar o delírio e gatunagem dos últimos trinta anos na Grécia. Esse é , aliás, o risco que corre a velha Europa nos próximos tempos, a confrontação com a ratificação da trupe enorme de capatazes vendedores da banha da cobra, vendedores da segurança nacional ao endividarem todo um país e obviamente incapazes de rapidamente varrerem para debaixo do chão toda a porcaria acumulada nestes trinta anos.

É curioso que a queda de um regime inviável e ameaçador como os regimes comunistas se tenha seguido pela instauração de regimes cleptocráticos e desvairados. Muitas vezes os vitoriosos sabem como infligir a sua perda por demasiada ambição, nunca leram a arte da guerra. Enfim, deslumbraram-se.

Estes capatazes esperam sempre escapar ao chicote e ao pontapé da história mas nada está perdido, o que é preciso é resiliência, ah que grande palavra da treta gesto-económica, verdadeiramente a “dismal science”.

As sociedades vão perfurar, pressionar, encolher até encontrar uma saída. Até lá vai haver muita destruição. A duração deste tempo será de uma a duas gerações, tempo suficiente para o desaparecimento de alguns povos, fugitivos das agruras das periferias para as frialdades dos centros.

Nunca foi possível arranjar emprego para toda a gente, sempre houve muita dívida, mas agora há algumas diferenças, as três principais é que se morre devagar – ou pelo menos era assim até agora – muito devagar, procria-se pouco, muito pouco e a dimensão da dívida é muito grande, assustadoramente grande ao levar em conta que cresceu já no meio de um ambiente de altas extorsões / impostos. Como é que os capatazes conseguem retirar o dinheiro suficiente para azular parte dos grandes vermelhos dos livros? Vai ser muito difícil, muito difícil, mais ainda porque esses capatazes promoveram a glorificação dos mercados e do crescimento e ajudaram ao enterro dos contextos, os grandes limitantes, em todos os sentidos das sociedades. Uma sociedade sem contexto é mais livre para ser desenvolvida e espremida, é mais vulnerável perante a contracção. Como justificar sem exibir força  uma extorsão elevada numa sociedade a activamente a destruir o contexto – verdadeiramente, se “there is no such thing as society” porque é que pago impostos para além da manutenção da polícia e do exército, para pagar despesas que outros assumiram, para voltar a ir aos mercados, mas eu não quero ir aos mercados para nada, “só por cima do meu cadáver”.

Pior, os capatazes não perceberam que o modelo de desenvolvimento global que escolheram só é viável com uma das duas saídas, uma estupidificação em massa e profunda – mas como vender banha da cobra a débeis, a compra da mesma pressupõe uma ambição acima desse nível seguro de estupidez – ou uma sociedade oriental onde o conceito de vida seja um interminável jogo onde os contrários não são percebidos como verdadeiramente diferentes, algo muito longe da vivência da metade ocidental do mundo.

A representatividade falhou porque tinha de falhar, muitos tinham verificado isso, desde Platão até ao amaldiçoado Nietzche. Os anglo-saxónicos tinham conseguido lidar com este falhanço com a forma hábil do “as if”. Mas tudo tem um prazo de validade, algo tem de morrer mesmo para renascer de forma um pouquito diferente.

A crise da representação tem no entanto um efeito com grande potencialidade, a humildade. Se não é verdade que a representação possa continuar a fundamentar-se na complexidade da administração, talvez a única ingenuidade de Tocqueville e a sua metodologia de escolha é demasiado vulnerável á manipulação e caciquismo com a quase inevitável escolha dos piores entre os piores – a elite dos capatazes europeus é absolutamente assustadora – a humildade advirá da apreensão que não temos equipamentos para grandes planeamentos ou legislações, regressemos ao nível mais humano da administração mais local, mas com verdadeira autonomia, não aquela que os bruxelenses sonharam para o seu total domínio, as regiões como caixas postais das suas deliberações.

Como a biologia nos ensina, a imagem que Sextus mais aprecia, a riqueza dos genes só foi possível pela individualização das células e mesmo da compartimentalização dentro das células, ou o exemplo da fisiologia, a comunicação entre células faz-se de formas passiva, activa e facilitada, sempre com portões.

Até lá, queimemo-nos no grande magma enlouquecido, disfrutemos do último “as if”.

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

Propriedade sem controlo é escravatura, controlo sem propriedade é tirania e no intervalo há a comissão dos capatazes e nas galerias ninguém ouve nem vê o suficiente para se entender

Nas famílias de décadas passadas reuníam-se três gerações, com grande frequência. Na altura das demoradas conversas segregavam-se muitas vezes os mais novos, quer para obter maior liberdade na troca de opiniões quer para os libertar para brincadeiras mais ajustadas á idade. Quando, com o crescimento, alguns da geração mais tenra eram admitidos nessas conversas mais reservadas percebiam que lhe eram outorgados os selos do entendimento e da responsabilidade, fundamentais no tratamento da informação que iria ser trocada. A vida adulta dava os seus primeiros passos.

A ocultação da informação é contemporânea da formação de qualquer sociedade e quanto mais elaborada e mais antiga, mais bocados da sua natureza são reenviados para áreas de esquecimento, de ocultação e de fingimento, o refúgio último da não compreensão. Quando este sector da vida atinge alguma densidade e quantidade reaparece na forma de teatro, quer em drama quer em comédia, via elegante para preservar e não explicitar tudo. Nas sociedades muito cansadas, o teatro torna-se a última via de continuidade até declinar inevitavelmente e infantilizar-se até ao seu desaparecimento. Nos últimos estádios, o teatro pode ser visto por todos, as segundas e terceiras leituras seguem com à vontade com as primeiras mais infantis. Só os mais esclarecidos dentro dos mais velhos aguentam a auto-referenciação na forma do como se.

A comédia europeia é servida em vários níveis para diferentes espectadores, os mais bem colocados  conseguem até ver onde está o ponto, os piores mal distinguem as falas e não identificam todos os comediantes. Além disso, só quem chegou primeiro, resultado da sua pertença ao núcleo dos convidados especiais do círculo interno é que poderão ter tido a ocasião de consultar a ficha técnica. Os sentados á frente não se descompõem a comer pipocas e a beber colas, vão satisfazer a fome e a sede depois do espectáculo, os da periférica galeria aproveitam para substituir o inacessível jantar por rebuçados, chocolates e similares. É verdade que a ficha técnica passou também a constituir um exercício de charadas, o director não aparece e o produtor esconde-se atrás de um nome empresarial que ninguém parece conhecer, só os actores mais antigos e  de primeira grandeza parecem perceber quem são os mandantes. Na verdade, os proprietários do teatro já não o controlam, uma forma civilizada de escravatura.

O teatro europeu continua a pretender exibir as grandes reformas estruturais que serão a antecâmara de mais salões de riquezas e de progresso, mas as grandes reformas são como a galeria dos espelhos, realmente apenas se reflectem mas nada contêm. Há a ilusão sonhada dos produtores de controlarem aquilo que não têm, a forma elevada da tirania, outra comédia. Não há nem houve nunca governo algum, Lao descobriu-o bem cedo. As famosas reformas são de dois tipos, as mais imediatas, de concepção das raposas, com redistribuição habitual de recursos financeiros. Há ainda muito para fazer, pode-se tirar ainda bastante de um lado e dar ao outro, muitas formas de vida podem evoluir, basta pensar na ociosidade prisioneira da juventude árabe em Belém até á errância contínua quase browniana em busca da sobrevivência de Bombaim. A periferia europeia tem ainda tanto para contrair, para empobrecer aguentando por mais algum tempo os superavits do centro – hoje foi divulgado que o alemão e o holandês caminham para 10% e isto apesar do produto potencial ainda estar cerca de 20% do produto real. As verdadeiras reformas estruturais, o núcleo do desiderato é a irrelevância, o corolário desejado, louco e revolucionário, já os capatazes tinham feito isso com o agrimensor do castelo – enquanto tal desmesurado fim não chega, de tal grandeza que perturba, os capatazes descem á aldeia cobrar as comissões e beber a cervejas para animar a algo apagada líbido, as raparigas do povo já não o que costumavam ser, a procriação desce a olhos vistos, mesmos os teutónicos exuberantes e gordurosos só fazem 1.3 filhos a cada fêmea.

A dívida terá finalmente o último préstimo, passa da menos importante renda para a mais decisiva posse. O grande trabalho já está feito, todos querem é condições para contraír dívida, lá se vai o conselho de Adam Smith sobre a perigosidade das dívidas soberanas, mas isso faz parte da bíblia renascida do neoconservadorismo, que de conservador só tem o nome. Até os infantilizados gregos é isso que querem, autorização para continuar a contrair dívida para rolar a mais antiga, foi esse o trabalho herculeano de Maria Luís, endividar-se enquanto é tempo. A democracia prova a tese de humano, demasiado humano, gera a criança. A democracia sem jornalismo adulto e independente – mas como era possível tal haver – gera a decadência política antecipada por Tocqueville.

Safa-se o império, convenientemente já para lá da democracia, com a sua agenda militar e mercantilista dos tratados transatlântico e transpacífico.

Sextus recomenda “Unstoppable” de Ralph Nader, ou o sonho de remover os revolucionários neoconservadores e substituí-los pela aliança do conservador dos fundadores com partes do optimismo impenitente dos liberais.

Talvez a europa se salve quando enterrar a CE, mas a dificuldade de remover milhares de capatazes, ainda por cima em parte pagos pelo império, a única entidade consciente adulta – o império do meio renasceu da crisálida, ainda está tenro e talvez nunca cresça o suficiente, ta como da primeira vez – é de monta. O povo ainda os aclama, pelo menos durante mais uma geração, tempo largo para vender a novilíngua e o duplipensar até à estupidificação irreversível.

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

A contradição como salvaconduto para a sobrevida do poder ou para já Nicolau ganha a Frederico, no fim teremos sempre as pedras e as fisgas

Nesta metade ocidental do mundo e nos últimos cem anos, assistimos à dominância da inteligente transfiguração dos fundamentos do poder, desde a tradicional mistura de sangue com riqueza para a aparente tiragem à sorte da democracia baseada na representatividade e na territorialidade, manobra de escape para acomodar a acumulação do saber dos séculos anteriores, mais presente e emproado pelo iluminismo. Mas consequente ao saber está o esquecimento e o engano.

O saber ocidental sempre lidou mal com a contradição, com o tratamento da exclusão do terceiro. Só o conforto derivado do refúgio na sombra que a matemática procurou, evitou que o raciocínio ocidental atenuasse a desilusão de se confrontar com o falhanço de Russell e com o sucesso de Godell e do seu teorema da incompletude.

Numa extensão algo larga, podemos dizer que Godell levou ao triunfo, pelo menos até agora, do conhecido “como se” anglo-saxónico e à derrota do pensamento franco-germânico. A afirmação do ser deixou de poder ser espelhada no devir hegeliano do estado, passou a repousar na tautologia.

A evolução do poder não deixou de receber estas influências. A tautologia, melhor, a auto-referenciação, passou também a guiar a existência do poder. A auto-referenciação é obviamente muito poderosa e sólida enquanto que tal for possível, só que é quase impossível identificar os momentos em que a auto-referência se esgota. A auto-referência procura a eternidade pela inclusão e anulação da contradição.

O poder ocidental  dos tempos presentes tem três camadas principais de apoio: a  financeira, a  militar-financeira e a civilizacional, sendo esta de longe a mais fraca, debilidade que se percepciona de forma mais clara na demografia e na arriscada eliminação da nacionalidade dos excedentes periféricos.

A financeira atravessa um momento curioso, com sinais opostos, um de grande vigor e outro de grande fraqueza. O primeiro apercebe-se na evolução da quota parte que arrecada do lucro do capital, sempre em crescendo nas últimas décadas, algo que muita gente tem esquecido. Apesar dos protestos de muitos pela crescente importância do mundo financeiro já datarem desde o início do século passado, a verdade é que nessa altura a componente financeira do produto ainda estava abaixo de 10% do PIB, mas no momento presente já ultrapassou os 15%. Mais, a parte do capital também voltou a ultrapassar os 50% do rendimento nos últimos dez anos, depois de um valor inferior a 45% nos anos sessenta. O sinal da debilidade deriva das expectativas de retorno do capital para o futuro a curto e médio prazo, de volta aos valores á volta dos 3 a 4% e mesmo isto á custa do muito maior retorno dos super-acumuladores de capital que vão conseguindo retornos entre os 7 e os 10%, sempre à custa da informação privilegiada. Aqui o controlo / captura dos reguladores foi essencial, uma contradição típica que assegura cada vez maior liberdade com cada vez maior regulação, com o brinde nada desprezível de ter criado a aparente necessidade de um exército de funcionários ditos muito indispensáveis e competentes, logo muito bem pagos, exemplos típicos dos gestores, advogados e banqueiros. A contradição brilhante aproveitada pelo mundo financeiro foi a criação do seu regulador, o banco central, garante do seu domínio sem os incómodos da satisfação das massas – não é preciso sujar as mãos a fazer a massa dos brioches. a desmaterialização do dinheiro, a quase exclusiva criação de dinheiro apoiado em dívida cimentou o poder quase absoluto. A sua contradição fulcral é a colisão entre o seu domínio sufocante e a sua invisibilidade procurada – um poder que não se sacraliza pela cerimónia pública tem sempre muitas dificuldades em momentos de curva, não pode falar.

A componente militar-financeira está com um vigor extraordinário, mais uma vez á custa da região do médio-oriente e em menor escala o continente africano. Esta componente tem evoluído para outras formas de armas, mais apoiadas na vigilância / espionagem que se desenvolve sem freios e que vai evoluindo para o antecipado “big brother”. Fica por saber se existe algo de autónomo e viável para além do sistema de espionagem montado pelos anglo-saxónicos dos hemisférios norte e sul, mas a subserviência franco-alemã não fica nada atrás da que a luso cacânia exibiu na altura das viagens entre o afganistão e cuba. A segurança máxima e filha da contradição foi a criação da figura da nuvem para armazenamento de informação, realmente não uma nuvem inocente e passageira do mundo, mas algo enterrado muito seguramente em qualquer bunker dum estado do oeste central americano. A grande contradição é o seu fundamento radicar na sua insuficiência, pede-se cada vez maior segurança por que esse poder não consegue, fundamentalmente não quer garantir essa protecção. Quanto tempo consegue o furtivo incendiário justificar o gasto nos bombeiros é uma pergunta de difícil resposta mas para já a inteligente mistura de terror, hipervigilância e infantilização tem conseguido levar o barco a bom porto. O complexo militar-financeiro consegue o prémio de justificar cada vez maior estado no centro, permitindo-lhe o nacionalismo ao mesmo tempo que promove o inescapável internacionalismo da periferia anã e infantil, incapaz de se defender dentro do enquadramento nacionalista. Esta ambivalência garante-lhe para já todo o sucesso até á emergência de um poder alternativo asiático mas de duvidoso nascimento.

A civilizacional repousa numa herança muito antiga, dita greco-judaica-cristã, uma sopa de pedra que foi sempre mal cozida porque a sua ligação dependia mais do outro, o mundo hindu-budista, do que dela própria. Esta referência tem evoluído para posições de bloqueio quando se pretendeu atribuir á vertente anglo-saxónica a sua emergência mais aperfeiçoada e última, o conhecido fim da história. Esta idealização ia a par com a globalização, a natural consequência do fim da história, com a as periferias a sofrerem um processo de descoloração e desestruturação para mergulhar no superaquecido centro que tudo consome. Esta globalização é também uma forma interessante e com manifestações opostas de lidar com os problemas, atrofia e desnata as periferias para salvaguardar a satisfação dos apetites do centro, cada vez mais voraz a uma mesa que parece mais desguarnecida. A fragmentação da importância dos poderes permitiu anular os efeitos indesejáveis de oscilações populares que passaram a votar em alternativas muito estreita, a globalização consegue facilmente acomodar qualquer devaneio entre o hamburger e o frango assado, ensaia o certificado de óbito daquele que ainda não morreu. O processo totalitário está em curso promovido por capatazes revolucionários que numa hábil utilização novilinguística,  carimbam de reaccionários e populistas todos os outros, os novos demagogos do passado.

Lidar com este programa implica voltar aos bons velhos tempos da sangria para melhorar a inflamação pela anergia e fraqueza. Para isso a presença de capatazes fiáveis que garantam a colecção de impostos que vão pagar os juros do capital emprestado é decisiva, capatazes esses que também asseguram a continuidade dos empréstimos, o regresso aos mercados – aqui Picketty tem a sua melhor contribuição, se um estado precisa de dinheiro que lance impostos e não que contraia dívidas, os impostos serão a melhor garantia de moderação no futuro, as dívidas como se viu nunca o foram.. Mais uma vez é necessário lidar com a contradição dos sucessivos pagamentos serem incapazes de abater á dívida que continua a crescer. Tudo isto é temperado pelo discurso das reformas que é sempre apoiado em teorias que não são verificadas na realidade o que as tornam mais robustas porque permitem explicar tudo e o seu contrário.

O extraordinário prec globalizante está a pouco de conhecer a vitória total. Como já mais vezes se citou, Tocqueville receava a infantilização que viu nascer nos USA como limitante a gerar as energias que pudessem ser necessárias. Se a globalização se cumprir na totalidade antes do choque de poderes, restará como motor da história a velha raridade de recursos. Não discutiremos ideias, lutaremos por água, terra e alimentos. Cumprir-se-á o destino, voltaremos, á bomba, á idade da pedra.

Duas leituras recomendadas: “the secret of the temple” e “la haine de la démocratie”.

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário