Arquivos Mensais: Outubro 2013

A duração do corpo com vida é menor do que a do corpo sem vida ou quando o amorfismo perde para a putrefacção

Desde os gregos que sabemos que a organização política das sociedades varia ao longo do tempo quase que igualando a procissão do sol pelas constelações do zodíaco. Platão acreditava que as democracias acabavam por dar lugar ás tiranias que eram … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

Portugal e a pobreza!

Contactado, telefonicamente, o 1º Ministro de Portugal pelo Papa Francisco, a conversa desenrola-se da seguinte forma: ” Estou, daqui fala Francisco, o Papa dos pobres!” com a resposta: ” Daqui fala Passos Coelho, o seu principal fornecedor”. Esta rábula descreve, … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

O tempo tudo corrompe ou quando um estado tudo adia porque não quer fazer também acaba por sofrer da lei do tempo

Próprio dos povos meridionais e de alto contexto é a procrastinação. Quando estas sociedades entram em decadência mais acentuada o adiamento é o par obrigatório da anulação do seu devir e esta descrença em qualquer futuro só pode ser suportável … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Próximos do 1º de Dezembro!

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Divagações de fim de época na periferia

Sempre foi dificil avaliar o grau de importãncia da causalidade entre vários factos que nos podem aparecer como potencialmente associados. O que está por trás ou por baixo da nossa dificuldade em aceitar a contradição também não é muito evidente. … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Até quando Portugal??

Tenho 61 anos. Licenciado em Medicina e Cirurgia, exerço a minha profissão num hospital público há 37 anos. Cheguei ao grau de Chefe de Serviço Hospitalar (apelidado agora de Assistente Graduado Sénior) através de classificações de mérito em seis concursos … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Os vazios da contestação e do discurso constituem a aparente paragem, obrigatória, sem alternativa, de Clio sempre peripatética

Uma das múltiplas consequências da crise foi o enterro da tese do fim da história, redescobrimos que ela tinha ainda muito caminho para fazer andando. Isto foi acompanhado por um inesperado troca de passo do tempo que não tinha chegado … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário