Encosta abaixo, alegremente, o duplipensar ainda não enegreceu, a novilíngua exalta sempre até ao fim e de qualquer modo Brassens já cantava “mourir pour des idées, d’accord mais de mort leeeente ” ou a humildade de lembrar que raramente, raramente, os catastrofistas vêm justo

É bem verdade que quando se erra no diagnóstico é quase impossível acertar no tratamento mas quando a manipulação é muito boa transforma-se um produto noutro muito diferente e sabe-se há muito que a pergunta que não tem resposta é o que é a verdade. Mais, o extraordinário avanço da novilíngua e do duplipensar torna a audácia quase algo ilimitado.

Também se sabe que não se aprende com o erro dos outros, nem sequer com os nossos – nem a Grécia aprendeu com os seus erros na aplicação inicial dos fundos europeus, nem a Alemanha aprendeu com os seus erros que a levaram a mendigar, com sucesso, o perdão da dívida da II guerra, tal como a Lusocacânia nada aprendeu desde 1985 – os primeiros ecos da aplicação do Portugal 2020 levantam os receios habituais.

Também se devia saber e muitos sabem-no que os modelos mais depurados nunca funcionam muito tempo, só os mais degenerados e amalgamados conseguem sobreviver mais tempo, a natureza, a vida são amigas da heterogeneidade, dos contrários – as formas de Platão constituem as entidades mais solitárias e frígidas produzidas pelo pensamento humano e apenas evoluem para as paixões, estados de alma, ou temporários ou patológicos. Dito isto, é bem verdade que as sopas mais complexas precisam de demoradas cocções e mexidelas e se estas forem mal feitas acabam por resultar num caldo que coalhará ao fim de pouco tempo.

A sobrevivência do projecto do euro constitui uma surpresa e um manancial para análise.

O euro é um projecto de revolucionários bem sucedidos embora o desenho contribua e muito para o sucesso. Tinha tudo para falhar, já falhou no fundo, mas sobrevive e isto distingue o revolucionário com sucesso daquele de insucesso – transformar o novo, o inesperado, o inacreditável, o inviável em evolução natural, inevitável, transformar a revolução em TINA (Tsipras manifestamente ainda não percebeu isto, realmente de revolucionário nada tem). O euro sobrevive porque conseguiu levar os estados para o alto mar e agora declarou que nunca trouxe botes salva-vidas.

O euro é uma construção audaciosa do sistema financeiro , o último passo antes da entrada no paraíso do capitalismo-socialista de Spengler, de lucros privados e prejuízos públicos e  transferiu totalmente o risco moral para os devedores e isentou-o na totalidade dos credores.

Historicamente sempre houve uma luta sangrenta e feroz à volta do risco moral mas o pano de fundo não muda demasiado, permanece nos devedores que são empurrados para a perda da propriedade, nalguns períodos da história, para a perda da individualidade, agora, para a abolição da autonomia. Também faz parte da história que a recuperação das perdas quando as há, são sempre desviadas mais para os credores desde que se cumpra a regra de os credores serem mais fortes.

Este pormenor, melhor esta condição absolutamente necessária, passa demasiadas vezes despercebida. Tudo o que se disse repousa nessa pré-condição do credor ser mais forte que o devedor. Exemplos clássicos contrários, os primeiros emprestadores judeus que acabavam sem a cabeça ou empurrados para o outro lado da fronteira. Exemplo oposto, os EUA os grandes devedores que impõe a sua vontade aos credores.

O ser forte, para além de permitir assumir a cobrança, a captura da propriedade do devedor ou até a sua escravatura, torna-o dotado de uma força centrípeta quando se redistribuem os recursos. Esta força centrípeta assegura que a periferia não escape porque quem ditas as regras todas passa a ser o centro – o sistema de empréstimo/endividamento é na verdade o carrasco anunciado do mito do livre comércio, a falácia mãos bem vendida pelo centro. Esta força centrípeta assegura que o centro disfrute de todas as vantagens do endividamento ao empurrar todos os perigos para a periferia. Claro que isto exige uma mistura bem doseada de incompetência/ignorância da periferia, afastada da informação privilegiada, compra e pagamento de capatazes após o afastamento/eliminação do que restou dos patrões da periferia – eles próprios com tendência para preferir a internacionalização sendo duques  à limitação e perigos do estatuto da realeza local – de modo que não é possível fugir ás regras estabelecidas. Uma vez feito o endividamento do centro nada mais resta á periferia senão fazer o mesmo – o mito das contas equilibradas com o par franco-germânico perpetuamente fora dele é o maior mito que a o duplipensar conseguiu inculcar.

Se olharmos para outros continentes observamos esse crescer de dívida generalizado. A moral falaciosa de censura a quem quer mais do que aquilo que pode, foi muito bem construída – como é que uma empresa da periferia pode competir se não tiver também um grau importante de endividamento? No centro o capital próprio anda á volta dos 25 a 40%, tudo o resto é dívida contraída a juros mais favoráveis,  na periferia descapitalizada o capital próprio não pode deixar de ser menor e muitas vezes desce para o patamar á volta dos 10%, convenientemente fraco para uma fácil destruição. Esta regra do centro, o endividamento, é o seguro de vida para o seu predomínio. No sistema financeiro a arte foi mais desenvolvida, pudera, o centro absoluto, com capitais próprios entre 3 e 4% – mesmo Basileia III não sobe para 8%, outra mentirazita bem urdida e de qualquer modo esses 8% são suficientes para assegurar que o risco moral nunca será invocado ao mesmo tempo que assegura o controlo, tornando possível comprar vários cães com o pelo dos ditos.

Mas  a falácia mais importante não deriva da dívida mas sim do emprego, ou as famosas reformas estruturais como promotores do emprego. Como se irá ver no futuro, a médio prazo, as reformas estruturais, o eufemismo da baixa dos salários não cria emprego, diminui-o por várias razões, sendo a principal a lentificação da velocidade do dinheiro, algo que Friedman não previu e que originou o falhanço da sua teoria económica, ao ser comprovado que a massa monetária de per si não controla os preços, é preciso ter em conta a velocidade de circulação. Ao tirar ao salário cada vez mais a porção do bolo a velocidade fatalmente diminui. Mais determinante, com a acumulação extraordinária de dívida a irrelevância, o excedente de massa humana torna-se insustentável agora que não há impérios para exportar, pelo contrário são os desgraçados das ex-colónias que fogem das suas terras, sem nada para fazer para além de morrer ao serviço dos capatazes da guerra.

Aquilo que vamos testar é qual o nível de empobrecimento e de desemprego compagináveis com a actual duração da vida humana, com a lentidão da morte e com a descrença espelhada na baixa taxa de natalidade.

Aquilo que se vai testar é qual o grau de estupidificação, de infantilização e de corrupção que podem ser compatíveis com a liberdade humana, qual é o ponto da reversibilidade última.

Aquilo que já se percebeu é que o modelo da democracia representativa morreu de morte natural ao fim de poucas gerações. A corrupção que a distância potencia tornou-se, mais do geradora de perdas importantes, no maior factor destrutivo da sociedade – será a última ironia desta fase da história, a comprovação da existência de algo porque se destrói e se nota a ausência. Aquilo que ainda não adivinhamos é qual o resultado da governação por capatazes apenas, já que os donos ou morreram ou já não querem aparecer – o factor decisivo não é a justiça, a natureza e as sociedades não são justas, é a sua sustentabilidade.

Até quando a subsidiariedade vai continuar a enganar os optimistas? Quando é que o pensamento de que não há  maior bondade do que independência e liberdade, que a complexidade que tudo justifica é filha da novilíngua e sobrinha da corrupção que ninguém é melhor servido do que por si próprio se tornam evidentes por si próprios, como diriam os fundadores dos EUA.

Quando é que os verdadeiros revolucionários que nos vêm governando  vão ser expostos, a sua audácia e loucura exibidas e logo afastados. Se é possível descer, descer, descer, retroceder até á mais avançada infantilidade e saír do buraco, é algo que não sabemos, nunca antecipamos quando os catastrofistas têm razão porque só raramente a têm, mas lembrem-se que como tudo, nem sempre estão errados. Tudo se cansa, tudo se apaga.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s